CartaExpressa

‘Admirado com os dados que a PF conseguiu’, diz Gilmar Mendes sobre ação contra Bolsonaro

Declarações foram concedidas nesta terça-feira 19, após um evento promovido pela Esfera Brasil

O decano do STF, Gilmar Mendes. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, disse estar “admirado” com os dados obtidos pela Polícia Federal no decorrer do inquérito sobre fraudes em cartões de vacinação contra a covid-19. As investigações levaram ao indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e outras 16 pessoas.

“Nós saímos de especulações para provas. Fico admirado com os dados que a PF conseguiu obter, de fato, são muito convincentes de que algo muito ruim estava em marcha”, afirmou o decano do STF. As declarações foram concedidas nesta terça-feira 19, após um evento promovido pela Esfera Brasil.

Durante o evento em Brasília, Gilmar Mendes ainda afirmou que, ao encontrar seus colegas do exterior, conta que o País superou o que chamou de “armadilhas ditatoriais”.

“Quando a gente vai a outros eventos no exterior, a gente encontra colegas de outras cortes internacionais que estão contando a causa do desastres que sofreram. Contamos como nós superamos armadilhas ditatoriais. A história está aí para a gente ver, inclusive nas notícias dos últimos dias”, acrescentou.

O que diz o relatório da PF

Além de Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cid e militares que integravam o círculo do então presidente foram indiciados pelos crimes de associação criminosa e inserção de dados falsos em sistemas de informações.

No relatório, a PF ainda disse considerar que as supostas fraudes indicariam para um possível elo com a articulação pró-golpe de Estado após as eleições de 2022. Os documentos falsos permitiriam que o então presidente –assim como seus auxiliares– deixassem o Brasil enquanto aguardavam a “nova tentativa de golpe”.

Agora, cabe à Procuradoria-Geral da República decidir se apresenta ou não a denúncia contra Bolsonaro e os outros 16 indiciados pela PF. Há ainda a possibilidade de o órgão pedir novas diligências, caso considere haver algum ponto ainda a esclarecer.

Caso a PGR opte por denunciar o ex-presidente, essa será a primeira acusação formal contra o ex-capitão desde que ele foi derrotado nas eleições. A partir disso, o Supremo decide de aceita ou não a denúncia e, depois disso, julga o caso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo