Justiça

‘Aberração jurídica’: Toffoli sacramenta derrota de interpretação golpista do artigo 142; leia o voto

O ministro afirmou que a tese não encontra respaldo sequer nas Forças Armadas

O ministro do STF Dias Toffoli. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, rechaçar a interpretação de que as Forças Armadas poderiam exercer um “poder moderador” no País.

Desta forma, a Corte reforça que o artigo 142 da Constituição não permite em qualquer hipótese uma intervenção militar sobre os Três Poderes.

O último ministro a registrar seu voto foi Dias Toffoli. Ele afirmou que a tese defendida por bolsonaristas sobre uma “intervenção militar constitucional” não passa de “aberração jurídica”.

O magistrado apontou que a versão parte de uma “leitura equivocada” do artigo 142, “no sentido de que as Forças Armadas seriam (falsamente – é importante reiterar) árbitras de conflitos institucionais”.

“Considerando a ordem rigorosamente democrática instaurada em 1988, é um truísmo reconhecer que a Carta Cidadã não comporta qualquer interpretação que autorize a atuação das Forças Armadas como poder moderador”, diz o voto.

Toffoli ainda sustentou que a tese não encontra respaldo sequer nas Forças Armadas, “que sabiamente têm a compreensão de que os abusos e os erros cometidos no passado trouxeram a elas um alto custo em sua história”.

Para o ministro, o fato de o STF ter de se manifestar a respeito do tema é “sintomático dos tempos estranhos em que vivemos”.

“Daí a importância desse julgamento, como mais uma oportunidade de o plenário atuar em defesa da democracia brasileira contra os discursos que buscam enfraquecê-la.”

Dias Toffoli enfatizou, por fim, a importância de essa decisão unânime do STF ser difundida nas escolas e nas academias militares, “de tal sorte que pensamentos de retorno a um passado de usurpação e de abusos não aconteçam nunca mais”.

Leia a íntegra do voto de Toffoli:

6027123

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo