Educação

Brasil alcança maior taxa de crianças e jovens fora da escola

Levantamento do Todos pela Educação destaca que números mostram efeitos da pandemia da Covid-19 nas taxas de atendimento escolar

Apoie Siga-nos no

O Brasil alcançou a maior taxa de crianças e jovens de 6 a 14 anos fora da escola em 2021, aproximadamente 244 mil. O aumento é de 171,1% no 2º trimestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2019, segundo consta em levantamento do Todos pela Educação, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgado nesta quinta-feira 2.

O percentual de crianças e jovens nessa faixa etária que não estavam frequentando a escola em 2019 era de 0,3% em 2019 e passou para 1% em 2021,  a maior taxa observada nos últimos 6 anos, destaca o estudo.

O cenário incide diretamente no percentual de matrículas do Ensino Fundamental e Médio, que chegou a 96,2%, a menor taxa desde 2012. Em 2019, o percentual de matrículas nas etapas escolares era de 98%.

O levantamento também avaliou as taxas de atendimento escolar entre jovens de 15 a 17 anos. Na faixa etária, permaneceu a tendência de queda no percentual daqueles que estão fora da escola, chegando a 4,4% no 2º trimestre deste ano.

O País teve, no segundo trimestre deste ano, 407,4 mil jovens de 15 a 17 anos fora da escola antes de ter completado o Ensino Médio, menos do que os 486,2 mil de 2020 e dos 679,8 mil de 2019. O resultado reflete o aumento, em 2021, do número de jovens que estavam frequentando etapas anteriores como o Ensino Fundamental Regular ou a Alfabetização de Jovens e Adultos.

A nota técnica que acompanha o levantamento destaca que os dados da PNAD Contínua de 2021 já começam a mostrar os efeitos da pandemia Covid-19 nas taxas de atendimento escolar.

“Estes dados precisam continuar sendo acompanhados nos próximos trimestres, para que, em breve, tenhamos a real dimensão dos impactos do prolongado fechamento de escolas nestes indicadores”, destaca um trecho do documento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo