Educação

Bolsonaro revoga MP que permitia a Weintraub nomear reitores em universidades

Decisão do presidente ocorre após Davi Alcolumbre devolver o texto ao Palácio do Planalto

O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Walterson Rosa/MEC
O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Walterson Rosa/MEC

O presidente Jair Bolsonaro revogou a Medida Provisória 979/2020, em que dava poderes ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, para nomear reitores nas universidades federais. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta sexta-feira 12.

Na quarta-feira 10, Bolsonaro havia entregue ao Congresso Nacional um texto que excluía a necessidade de consultar professores e estudantes da comunidade acadêmica para nomear os dirigentes das universidades. Mas a proposta foi mal recebida pelos parlamentares.

No mesmo dia, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a medida é “inconstitucional”. Nas redes sociais, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou que o texto viola a autonomia e a gestão democrática das universidades e decidiu devolver a MP para o Palácio do Planalto.

 

“Cabe a mim, como presidente do Congresso Nacional, não deixar tramitar proposições que violem a Constituição Federal. O Parlamento permanece vigilante na defesa das instituições e no avanço da ciência”, escreveu Alcolumbre.

A ação de Alcolumbre não tiraria a validade da MP de Bolsonaro, porque este tipo de texto tem vigência imediata. No entanto, para se tornar lei, uma MP tem que ser aprovada por votação entre parlamentares, em prazo determinado. Sem a votação dentro do prazo, a MP “caduca” e perde a validade.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!