Bolsonaro é pressionado por olavistas e militares para rejeitar Feder

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, possível chefe do MEC sofre resistência de alas do governo

O secretário de Educação do Paraná, Renato Feder. Foto: Reprodução/TV Paraná Turismo

O secretário de Educação do Paraná, Renato Feder. Foto: Reprodução/TV Paraná Turismo

Educação

O presidente Jair Bolsonaro está sendo pressionado para desistir de indicar o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, para o Ministério da Educação. Segundo informou o jornal O Estado de S. Paulo, nesta sexta-feira 3, alas ligadas ao escritor Olavo de Carvalho e aos militares rejeitam a nomeação do possível chefe da pasta.

De acordo com o veículo, os olavistas críticos à escolha de Feder se incomodam com a sua ligação ao chamado “centrão”, por ser funcionário do governo de Ratinho Júnior (PSD). Conforme mostrou CartaCapital, o PSD foi um dos partidos que abocanharam cargos após a aproximação com o chefe do Palácio do Planalto.

 

Já os militares veem inexperiência em Feder. Líderes evangélicos também não se agradaram com o nome.

O nome de Feder aparece após a demissão de Abraham Weintraub em 18 de junho, seguida da passagem-relâmpago de Carlos Decotelli na chefia da pasta. Ele é empresário, com graduação em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (USP).

Nas redes sociais, progressistas e bolsonaristas expressaram insatisfação com o secretário do Paraná. Para parlamentares da oposição, a indicação de Feder pode representar o avanço de privatizações no setor. Já os apoiadores de Bolsonaro reclamam que o governo abriria mão de valores conservadores para não desagradar agentes do “establishment”.

Weintraub não seguiu as críticas olavistas, pelo menos publicamente, e escreveu uma mensagem a Feder pelo Twitter, desejando-lhe “sorte e sucesso”.

Segundo revelou o site The Intercept Brasil, a gestão de Feder no Paraná deixou alunos de 165 municípios sem aulas durante a pandemia do novo coronavírus. A falha ocorreu após contrato milionário com uma emissora afiliada da TV Record.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem