Educação

Cotado para chefe do MEC, Renato Feder deixou alunos de 165 cidades sem aula no Paraná

Segundo o site The Intercept Brasil, secretário de Educação do estado contratou afiliada da TV Record para exibir aulas em vídeo

O chefe da Secretaria de Educação do Paraná, Renato Feder. Foto: Reprodução/YouTube
O chefe da Secretaria de Educação do Paraná, Renato Feder. Foto: Reprodução/YouTube
Apoie Siga-nos no

Cotado para chefiar o Ministério da Educação, o secretário de Esporte e Educação no governo do Paraná, Renato Feder, deixou estudantes de 165 municípios do estado sem aulas após contratar uma emissora afiliada da TV Record para exibir vídeos de ensino à distância. A informação foi revelada pelo site The Intercept Brasil, nesta sexta-feira 3.

A contratação ocorreu no início de abril, como reflexo da pandemia do novo coronavírus. Segundo apuração do veículo, não houve licitação no processo. A empresa contratada se chama TV Independência, pertencente o grupo Rede Independência de Comunicação (Grupo RIC), conglomerado de mídia filiado à Record, presente no Paraná e em Santa Catarina.

De acordo com o Intercept, o contrato original previa 2,7 milhões de reais por 3 meses de serviço. No entanto, o desembolso não foi suficiente para atender todos os alunos da rede estadual. Segundo o veículo, a RIC não chega em mais da metade dos municípios paranaenses, onde vivem 2 milhões de pessoas.

Após 1 mês, a pasta de Feder cedeu mais 800 mil reais à empresa como “aditivo”, para aumentar a cobertura televisiva até junho em 44 municípios. Para quem não tem sinal da TV, resta tentar assistir às aulas pela internet, por meio de um aplicativo chamado Aula Paraná. Quem também não tem internet, fica impedido de assistir às aulas, informa o veículo.

Segundo o site, as escolas decidiram imprimir tarefas de casa e encaminhar aos alunos por meio dos familiares, que comparecem às instituições para buscar cestas básicas. Os alunos fazem os exercícios sem acompanhamento e devolvem na data seguinte de distribuição de mantimentos. Os documentos ficam 14 dias em quarentena antes da correção pelos professores.

O governo do Paraná é comandado por Ratinho Júnior (PSD), filho do apresentador Carlos Massa, do Programa do Ratinho, da emissora SBT.

A indicação do secretário de Ratinho Júnior desagradou progressistas e bolsonaristas. Ele pode ocupar o cargo de ministro após Bolsonaro dispensar os serviços de Carlos Decotelli, que ficou somente 5 dias na liderança da pasta da Educação. Decotelli substituiria Abraham Weintraub, mas foi descartado depois que teve o currículo acadêmico desmentido por instituições universitárias.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.