Economia

Não há a menor chance de Lula não conceder aumento real ao salário mínimo em 2024, diz Tebet

A ministra do Planejamnto condicionou o valor final à aprovação do arcabouço fiscal e a novas receitas

Simone Tebet (Planejamento) e Fernando Haddad (Fazenda) . Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou nesta segunda-feira 17 que o salário mínimo terá aumento acima da inflação no ano que vem. Ao apresentar o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024, a emedebista disse que “não há a menor chance” de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não aprovar o reajuste real.

De acordo com o projeto da LDO, a previsão é de um salário mínimo de 1.389 reais para 2024. Por enquanto, o valor seria capaz apenas de compensar a inflação, sem aumento real. A formalização do valor, porém, só ocorrerá quando a inflação deste ano for concretizada. 

“Não há a menor chance de o presidente não dar aumento do salário mínimo. O presidente não vai descumprir uma promessa de campanha. O aumento vai ser real [ou seja, acima da inflação]”, reforçou a ministra. “O quanto [de aumento] vai depender da aprovação do arcabouço, de incremento de receitas e corte de gastos do outro.”

O governo ainda apresentará ao Congresso Nacional a proposta de reforma tributária, que, segundo a equipe econômica, pretende criar mecanismos para aumento da arrecadação, possibilitando o cumprimento das metas fiscais.

No início de abril, as centrais sindicais entregaram à gestão Lula uma proposta de reajuste do salário mínimo com faixa fixa de 2,4% ao ano, além da correção de eventuais perdas pela inflação e de acréscimo da variação do Produto Interno Bruto dos dois anos anteriores. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo