Economia

Mercado financeiro reduz estimativa da taxa Selic para 12% ao ano em 2023, aponta Boletim Focus

Além da Selic, estimativa para a inflação em 2023 foi reduzida de 5,06% para 4,98%

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Agentes ligados ao mercado financeiro reduziram, mais uma vez, a estimativa da taxa Selic. Segundo o novo boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira 3 pelo Banco Central (BC), a estimativa, agora, é que a taxa básica de juros caia para 12% ao ano, no fim de 2023. Atualmente, a Selic está em 13,75% ao ano.

Na edição anterior do boletim Focus, a estimativa para a Selic era de 12,25% ao ano. A queda ocorre na esteira de dois movimentos que marcaram a semana anterior: a divulgação da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que manteve a taxa atual, além do anúncio, feito pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), da mudança no regime de metas de inflação. 

Sobre o segundo ponto, a meta para 2026 ficará em 3%, com intervalo de tolerância de 1,5%, para mais ou para menos.

No boletim Focus, o mercado financeiro reduziu, também, a expectativa de inflação para 2023. Na semana passada, a estimativa era de 5,06%. Agora, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está previsto em 4,98%. Caso o valor seja confirmado, ficará, porém, acima da meta para este ano, que está em 3,25%.

Os números divulgados hoje apontam, também, para uma previsão um pouco mais otimista para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2023. Antes, o crescimento estava previsto em 2,18%. Agora, a previsão é de alta de 2,19%.

Houve, também, um aumento na estimativa do investimento estrangeiro no país. Dos 78,8 bilhões de dólares da última semana, o valor subiu para 79,5 bilhões de dólares esta semana. Além disso, o mercado financeiro também se mostrou mais otimista em relação à balança comercial. O boletim atual estima que a balança comercial, que é o resultado da diferença entre exportações e importações, fique em 63,76 bilhões de dólares. Na semana passada, o valor estimado foi 62 bilhões de dólares.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo