Economia

AGU rebate Pacheco e diz que ação para suspender a desoneração da folha é técnica

Jorge Messias afirmou, porém, que ‘seguirá no bom rumo da construção da harmonia entre os poderes’

Jorge Messias, Advogado-geral da União. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O advogado-geral da União, Jorge Messias, rebateu nesta sexta-feira 26 as críticas do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), contra a decisão que suspendeu a desoneração da folha de pagamento de empresas de 17 setores e de municípios com até 156 mil habitantes.

A ordem para interromper o benefício partiu do ministro do Supremo Tribunal Federal Cristiano Zanin, no âmbito de uma ação assinada pelo presidente Lula (PT) e pela AGU.

Messias afirmou ter respeito e admiração pessoal por Pacheco, mas ressaltou que a ação se baseia em argumentos técnicos jurídicos. Em nota, o AGU fez questão, ainda, de ressaltar a disposição para o “diálogo institucional” e disse que “seguirá no bom rumo da construção da harmonia entre os poderes”.

O principal argumento do governo ao acionar o STF é que o Congresso Nacional aprovou a desoneração “sem a adequada demonstração do impacto financeiro“. Nesta sexta, ao votar por confirmar sua decisão, Zanin afirmou haver “urgência em se evitar verdadeiro desajuste fiscal de proporções bilionárias e de difícil saneamento caso o controle venha a ser feito apenas ao final do julgamento de mérito”.

Ao criticar a suspensão e anunciar a apresentação de um recurso, Pacheco declarou que a decisão de Zanin é surpreendente, especialmente por surgir no momento em que “discutimos e buscamos alinhamento entre o governo federal e o Congresso Nacional”.

Segundo ele, o argumento utilizado pela AGU ao provocar o Supremo “não é verdade”, uma vez que o Parlamento teria “proporcionado medidas muito além do impacto orçamentário e financeiro dessas medidas de desoneração de folha”.

“Nossa posição é de antagonismo neste caso em relação ao governo federal, à AGU”, acrescentou Pacheco. “Espero que o STF decida com base na realidade.”

O Supremo tem quatro votos para confirmar a decisão que suspendeu a desoneração da folha.

Até aqui, além do próprio Zanin, Flávio Dino, Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso votaram por chancelar a ordem. O julgamento ocorre no plenário virtual e os magistrados podem publicar seus votos até 6 de maio.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo