Economia

Em evento em Londres, Pacheco cobra ‘redução imediata’ da taxa de juros; Campos Neto estava na plateia

Presidente do Senado engrossou a cruzada pública do governo federal contra a Selic

Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), engrossou a cruzada pública do governo federal contra a taxa básica de juros em um discurso proferido nesta quinta-feira 20. O parlamentar pediu, durante o evento Lide Brazil Conference, em Londres, que a Selic tivesse um ‘corte imediato’. Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, estava na plateia.

“Continuo defendendo a autonomia do Banco Central, mas precisamos encontrar um caminho para a redução imediata da taxa de juros. Esse é o desejo da economia e do mercado”, disse Pacheco no evento.

“Há divergências naturais entre Executivo e o Legislativo, entre a sociedade e o mundo empresarial. Mas se há algo que nos une neste momento é a impressão, o desejo, a obstinação de reduzir a taxa de juros”, insistiu o político.

De acordo com o parlamentar, o BC precisa superar ‘marolas e ruídos’ que impedem a queda na taxa de juros. Durante seu discurso, ele chegou a direcionar palavras a Campos Neto, que estava na plateia:

“A inflação, meu querido Campos Neto, está contida e em ritmo de queda. Nossa moeda é estável e tivemos na semana passada o dólar abaixo de 5 reais. Agora precisamos fazer o Brasil crescer e não conseguiremos com a taxa de juros a 13,75%”, cobrou.

O executivo do BC, porém, não comentou as afirmações do senador. Na quarta-feira, no entanto, ele já havia saído em defesa da sua política monetária no comando do BC. Na defesa, Segundo ele, a queda na inflação brasileira seria ‘mais lenta do que o esperado’, o que justificaria a manutenção da Selic em 13,75%.

“Olhamos muitas coisas e cruzamos muitos dados. Mas a realidade é que a queda da inflação é mais lenta do que esperávamos, considerando o patamar da taxa real de juros no Brasil”, disse Campos Neto. “[Isso] nos diz que a batalha não foi vencida e temos que persistir”.

Em março, o IPCA foi de 0,71%. No acumulado de 12 meses, o índice chegou a 4,65%, o mais baixo desde 2021.

No evento em Londres, o único a comentar, até o momento, as afirmações de Pacheco foi Davi Alcolumbre (União Brasil-AP). Conforme registrou o jornal O Estado de S. Paulo nesta quinta-feira, o ex-presidente do Senado, ironizou as declarações do aliado:

“Essa viagem com Lula [para a China] estragou ele. O Pacheco ouviu muito o discurso do Lula”, disse Alcolumbre em tom de brincadeira aos jornalistas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo