Bolsonaro diz ter vontade de privatizar a Petrobras

Presidente afirma que irá consultar equipe econômica sobre possibilidade de vender a estatal

O presidente Jair Bolsonaro no lançamento do programa Habite Seguro. Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro no lançamento do programa Habite Seguro. Foto: Alan Santos/PR

Economia

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta-feira 14, em entrevista para uma rádio evangélica, ter vontade de privatizar a Petrobras.  O ex-capitão usou o aumento do preço dos combustíveis que recai sobre ele para justificar a declaração.

“Eu tenho vontade, já tenho vontade de privatizar a Petrobras. Vou ver com a equipe econômica o que a gente pode fazer, porque o que acontece: eu não posso, não é controlar, eu não posso melhor direcionar o preço do combustível, mas quando aumenta a culpa é minha”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio Novas de Paz, de Recife. 

Enquanto deputado federal, Bolsonaro defendia que a Petrobras precisava ficar sob responsabilidade do governo pela posição estratégica da estatal para o setor energético. No entanto, na presidência, ela passou a admitir a possibilidade de privatização da empresa. 

Na quarta-feira 13, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reiterou ser favorável à privatização da empresa, ou diluir a participação da União na empresa estatal. 

Ainda na entrevista, o presidente reclamou por ser responsabilizado pelo aumento do preço do botijão de gás e lembrou que zerou o importo federal que incide sobre o produto e voltou a atacar governadores.

“Aumenta o gás de cozinha a culpa é minha, apesar de ter zerado imposto federal, coisa que não acontece aí por parte de muitos governadores”, continuou.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem