Morre aos 35 anos a ativista trans Amanda Marfree

A militante, vítima da covid-19, trabalhava no Centro de Referência e Defesa da Diversidade em São Paulo

Morre a ativista Amanda Marfree. Foto: Reprodução

Morre a ativista Amanda Marfree. Foto: Reprodução

Diversidade

A travesti militante da causa LGBTIQ+ Amanda Marfree faleceu nesta terça-feira 23 vítima da covid-19. A militante tinha 35 anos e trabalhava no Centro de Referência e Defesa da Diversidade em São Paulo. Amanda era pré-candidata a vereadora da cidade de São Paulo pelo coletivo DiverCidade SP.

A ativista foi a primeira aluna a se formar no ensino médio com o apoio do projeto Transcidadania, da Prefeitura de São Paulo. Ela recebeu diploma de honra ao mérito ao concluir os estudos na Escola Estadual Padre Antão e foi umas das mais bem classificadas no Enem de 2015.

Em uma de suas últimas entrevistas no dia 7 de junho, ao Estadão, Amanda falou sobre sua militância e o movimento pró-democracia. “Sentimos que estamos ameaçadas a todo instante. E um presidente que insinua golpes militares, classifica antifascista como terrorista e exalta figuras do nazismo é uma ameaça para nós”, disse ela.

“Eu sempre fui excluída de tudo. Democracia nunca foi realidade para mim. Até os 30 anos da minha vida eu não tinha noção de direito algum, muito menos cidadania. Em 2015, quando tive a oportunidade de retomar meus estudos, em uma versão piloto do Projeto Transcidadania, entendi que eu era uma cidadã como qualquer um, e não aquela pessoa excluída e marginalizada que a sociedade me fazia acreditar”.

Ativistas do movimento LGBT e amigos de Amanda lamentaram a morte da militante nas redes sociais.

AMANDA MARFREE, na madrugada do dia de hoje, faleceu a minha grande amiga. 😭A primeira memória que tenho dessa mulher…

Posted by Léo Paulino on Tuesday, June 23, 2020

 

Vcs que acompanham meu face devem notar que eu não posto muito sobre luto, mesmo qdo meu pai faleceu há anos atrás ou…

Posted by Luís Arruda on Tuesday, June 23, 2020

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem