CartaExpressa

Tarcísio veta homenagem aos Mamonas Assassinas em estação de trem em SP

Segundo o governador, escolher os nomes de estações é uma atribuição própria da CPTM

Créditos: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), vetou nesta quinta-feira 25 um projeto de lei que daria o nome do grupo Mamonas Assassinas à estação de trem CECAP-Guarulhos, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, a CPTM.

A proposta é de autoria do deputado estadual Jorge Wilson Xerife do Consumidor (Republicanos).

Ao justificar o veto, Tarcísio argumentou que a escolha de nomes de estações é uma atribuição da CPTM, não da Assembleia Legislativa do estado ou do governador.

“No que concerne ao mérito da proposição, cabe assinalar que, segundo os esclarecimentos prestados pelo Diretor Presidente da Companhia, endossado pelo Titular da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, a definição da nomenclatura das estações da CPTM vincula-se a conceitos e critérios técnicos prefixados em normas administrativas da sociedade, os quais enfocam aspectos referentes às condições históricas e geográficas da região onde se localiza o equipamento”, acrescentou o bolsonarista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.