CartaExpressa

STF mantém a prisão de Monique Medeiros, acusada do homicídio de Henry Borel

O relator, Gilmar Mendes, enfatizou a gravidade do crime e o descumrpimento de medidas cautelares

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, manter a prisão preventiva de Monique Medeiros, acusada do homicídio do filho Henry Borel, em 2021. Os ministros também recomendarem celeridade no julgamento da ação penal.

Em julho de 2023, o ministro Gilmar Mendes restabeleceu uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que ordenava a prisão preventiva. Em uma sessão no plenário virtual encerrada na segunda-feira 6, a 2ª Turma rejeitou um recurso da defesa contra a determinação do relator.

Monique e o padrasto de Henry, o ex-vereador Jairo de Souza Santos Junior, são acusados de matar e torturar o menino, de quatro anos.

Ao votar no julgamento, Gilmar afirmou que a detenção se justifica pela gravidade do crime e lembrou que Medeiros é acusada de ter contribuído com a concretização do ato –  uma vez que, mesmo “conhecedora das agressões” que a criança sofria, “nada fez para evitá-las”.

O relator também enfatizou que, segundo os autos, a acusada descumpriu medidas cautelares, como a proibição de usar redes sociais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.