CartaExpressa,Política

‘Se tiver algum pedido para me prender, aceito com respeito’, diz Sérgio Reis

‘Se tiver algum pedido para me prender, aceito com respeito’, diz Sérgio Reis

Cantor reafirmou que ameaças eram uma brincadeira, mas insistiu que quer ver os ministros fora do STF

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O cantor Sérgio Reis voltou a dizer que os áudios com ameaças aos ministros do Supremo Tribunal Federal que se espalharam pelas redes sociais nas últimas semanas não passavam de uma ‘brincadeira infeliz’.  O sertanejo também pediu desculpas aos magistrados, mas reafirmou o desejo de vê-los fora da Corte.

Em entrevista à RecordTV no domingo 22, o ex-deputado disse ainda ‘aceitar com respeito’ até um pedido de prisão após a repercussão negativa.

“Eu errei, cara, quem que não erra, quem não faz uma bobagem um dia? Não me arrependo de nada, só essa frase infeliz que brinquei com um amigo e vazou, mas não é a realidade. Quero me redimir com esse povo, desculpa. Até o Supremo, se tiver algum pedido para me prender, aceito com respeito”, afirmou o cantor. “Se 6h da manhã vier a Polícia Federal aqui em casa, eu me entrego”, acrescentou.

Na conversa, Reis se disse ‘democrático, do bem e do amor’ e insistiu na tese de que as ameaças de depor os ministros à força, se necessário, foram um ‘desequilíbrio’ da sua parte, uma ‘brincadeira infeliz’. Apesar de se dizer arrependido, o sertanejo reafirmou o desejo de ver os magistrados fora da STF.

“Eles tomam as atitudes que acham que estão certas, se acham os donos do País, fazem coisas que desagradam a gente. Isso incomoda. São soberanos, mas até aonde vai eu não sei. […] O Senado tem que acordar, desculpe. Pergunta para o povo que vai lá se eles concordam com eles. Eu não concordo. Se você concorda, problema seu, é seu direito, é democracia. A frase está errada, eu reconheço. Só não quero eles lá, alguém tem que tirar”, disse.

Em seguida, o cantor novamente pede desculpas aos integrantes do STF pelas suas declarações. “Caso eu os ofendi, que me perdoem como ser humano e também com respeito ao cargo de vocês. Agora, respeitem o povo também. Acho que estou sendo injusto. Peço desculpas se eu magoei alguma coisa ou o Alexandre, qualquer um”, insiste Reis.

O sertanejo ainda reclamou do ‘abandono’ da classe artística ao seu caso. Segundo relatou, apenas Roger do Ultraje a Rigor e Renato Teixeira mandaram mensagens de apoio a ele. Outros cantores, como Zé Ramalho, Guarabyra, Maria Rita e Guilherme Arantes, desistiram das participações que fariam no próximo álbum de Reis.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem