CartaExpressa

Roberto Jefferson diz que Bolsonaro pode ter o mesmo destino de Collor

Roberto Jefferson diz que Bolsonaro pode ter o mesmo destino de Collor

Presidente do PTB critica nomeação de Ciro Nogueira para Casa Civil. 'Com todo respeito, eu não confiaria nele. Serviu demais o lado de lá'

O ex-deputado Roberto Jefferson. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O ex-deputado Roberto Jefferson. Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente do PTB e ex-deputado federal, Roberto Jefferson, avaliou a nomeação de Ciro Nogueira (PP-PI) na Casa Civil como um erro do presidente Jair Bolsonaro. Para o dirigente partidário, a chegada do parlamentar ao governo pode abrir espaço para uma ‘traição’, como a que teria acontecido com o ex-presidente Fernando Collor meses antes de sofrer o impeachment.

A avaliação foi feita em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta quarta-feira 28.

“Temo que o Ciro possa representar para o presidente o que foi o [Jorge] Bornhausen para o Collor. Bornhausen não foi um homem correto para o Collor e eu temo que o Ciro possa não ser correto com o presidente Bolsonaro”, destaca Jefferson.

Em 1992, o senador Jorge Bornhausen foi nomeado por Collor como ministro na Secretaria de Governo. O parlamentar tinha a missão de melhorar a articulação do então presidente no Congresso, porém, não foi o que aconteceu, segundo Jefferson.

“Lembro ao presidente Bolsonaro do episódio do Bornhausen com o Collor. Quando o presidente abriu os olhos, toda a liderança junto ao Congresso Nacional era do Bornhausen. Não era dele”, explica.

O líder do PTB foi um dos grandes aliados de Collor na Câmara e viu de perto a derrocada do ex-presidente que culminou no processo de impeachment. Jefferson atualmente é um dos maiores defensores de Bolsonaro no cenário político.

Para ele, o novo ministro, além de ter um perfil semelhante ao de Bornhausen, ainda tem um longo histórico com a oposição de Bolsonaro.

“Com todo respeito que tenho ao Ciro, eu não confiaria nele. Serviu demais do lado de lá, não gostaria de ter ao meu lado”, avalia Jefferson, relembrando o apoio de Nogueira a Lula e ao PT no Piauí nos últimos anos.

Em 2017, Nogueira chegou a chamar Bolsonaro de fascista em uma entrevista e por diversas vezes afirmou que Lula era melhor presidente do Brasil.

Na conversa com o jornal, o presidente do PTB também reafirmou o interesse de contar com Bolsonaro no seu partido para concorrer à reeleição em 2022.

Bolsonaro ainda não decidiu em qual partido se filiará. Segundo indicou em entrevistas recentes, a chegada de Nogueira ao governo abre caminho para uma filiação ao PP.

“O PTB está aberto para a vinda dele. Se ele quiser vir, será uma honra”, afirma. “Mesmo que ele não venha para o PTB, terá nosso apoio”, acrescenta Jefferson.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem