CartaExpressa

Reunião do PL tem vaias a Tarcísio por apoio à reforma tributária

‘Tudo bem, gente, se vocês acham que a reforma tributária não é importante, não votem’, reagiu o governador paulista

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), foi alvo de vaias em uma reunião do PL, nesta quinta-feira 6, por não se opor à reforma tributária, a ser votada pela Câmara dos Deputados nas próximas horas.

Em um trecho do encontro, compartilhado por bolsonaristas nas redes sociais, Jair Bolsonaro afirmou que “nós temos que ter alguns dias a mais para chegar num consenso”. A declaração foi aplaudida pela plateia. Na sequência, o ex-presidente devolveu a palavra a Tarcísio.

O governador disse, então, que a direita não poderia perder a “narrativa” de ser favorável a uma reforma tributária. “Porque acaba sendo aprovada e quem aprovou?”, questionou, sendo interrompido por integrantes do PL. “A grande questão é construir um bom texto”, prosseguiu.

Bolsonaro interrompeu Tarcísio mais uma vez e disse que “se o PL estiver unido, não aprova nada”.

“O que eu estou querendo explicar – e estou vindo aqui com humildade – é que acho arriscado para a direita abrir mão da reforma tributária”, acrescentou o governador, para mais uma vez ser alvo de reclamações dos presentes. “Tudo bem, gente, se vocês acham que a reforma tributária não é importante, não votem”, emendou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.