CartaExpressa

Pepita de ouro encontrada com Valdemar Costa Neto é de garimpo, diz perícia

Conforme o laudo, a pepita teria aproximadamente 39 gramas, com ‘teor aproximado de 91,76% de ouro contido’, e valeria 11,6 mil reais

A pepita de ouro encontrada com Valdemar Costa Neto. Foto: Polícia Federal
Apoie Siga-nos no

Uma pepita de ouro encontrada pela Polícia Federal com o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, é proveniente do garimpo, indica uma perícia da corporação. Ele foi detido em flagrante na manhã desta quinta-feira 8 por posse ilegal de arma de fogo.

O ouro foi encontrado no momento em que os agentes cumpriram um mandado de busca e apreensão em um quarto do hotel Meliá em Brasília.

Conforme o laudo, a pepita teria 39 gramas, com “teor aproximado de 91,76% de ouro contido”, e valeria cerca de 11,6 mil reais.

“As características da pepita de ouro mineral, tais como o alto teor de ouro, textura, granulometria e a sua composição química e mineral, indicam que se trata de produto aurífero primário, proveniente de retirada direta da jazida, sem processamento, típico de atividade de garimpagem”, diz um trecho do documento, revelado pela TV Globo.

A definição do local específico de onde vem o ouro apreendido, porém, ainda depende de novas análises, a exemplo do “confronto entre o perfil químico do material apreendido e dos demais perfis registrados”.

A apreensão contra Valdemar ocorreu no âmbito de uma operação da PF sobre a tentativa de golpe de Estado em 2022. A ação, que mira Jair Bolsonaro (PL), militares de alta patente e ex-ministros, foi autorizada por Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Clique aqui e leia a íntegra da decisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar