CartaExpressa

Na França, Lula vence Bolsonaro com quase 83% dos votos; confira resultados de outros países

Pela manhã, eleitores chegaram a esperar cerca de 3 horas para votar na capital francesa. No início da tarde, a espera diminuiu

Lula e Jair Bolsonaro. Fotos: Ricardo Stuckert e Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula, candidato do PT ao Palácio do Planalto, derrotou Jair Bolsonaro (PL) em diversas capitais europeias. Os dados foram compilados pelo jornalista Jamil Chade, do UOL, a partir dos boletins de urna divulgados pelos consulados.

Em Paris, na França, Lula recebeu 7.885 votos (mais de 82%), ante 1,6 mil de Bolsonaro (17%). No primeiro turno, o petista já havia vencido na França, com 77,5% dos votos. O ex-capitão chegou em segundo lugar, com 13,7% dos votos.

Uma longa fila se formou desde cedo em torno do espaço La Rochefoucauld, no 9° distrito de Paris, centro-norte da capital francesa. Pela manhã, eleitores chegaram a esperar cerca de três horas para votar. No início da tarde, a espera diminuiu.

Nas últimas horas antes do encerramento, praticamente não havia mais filas, um cenário bem diferente do primeiro turno, quando a votação teve de ser estendida por mais de uma hora devido ao forte fluxo de eleitores.

Na Grécia, Lula obteve 242 votos, enquanto Bolsonaro somou 193. Na Rússia, a vantagem do petista é de 46 a 23.

Em Viena, na Áustria, Lula venceu por 961 a 379. Em Genebra, na Suíça, o triunfo do petista ocorreu por 2.320 a 2.279.

(Com informações da RFI)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.