CartaExpressa

Sobe para dez o número de mortos pelas chuvas no RS

A Força Aérea Brasileira enviou dois helicópteros para auxiliar no resgate dos atingidos pelas enchentes na região de Santa Maria

Foto: Reprodução/Força Aérea Brasileira (FAB)
Apoie Siga-nos no

As chuvas intensas no Rio Grande do Sul já deixaram dez mortos e ao menos 21 desaparecidos, segundo novo boletim da Defesa Civil divulgado nesta quarta-feira 1.

As vítimas fatais são das seguintes localidades: Encantado (1), Itaara (1), Pantano Grande (1), Paverama (2), Salvador do Sul (2), Santa Cruz do Sul (1), Santa Maria (1) e Segredo (1).

Ainda de acordo com o órgão, ao menos 114 municípios registraram problemas como inundações, quedas de barreiras e deslizamentos de terra, afetando 19.110 pessoas. Em todo o estado, há 4,4 mil desalojados e desabrigados.

Durante live realizada na tarde desta quarta-feira, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou que as chuvas causarão “o maior desastre do nosso estado” e que o estado não tem capacidade de resgatar todas as pessoas.

Na noite da terça-feira 30, a Força Aérea Brasileira (FAB) enviou dois helicópteros para auxiliar no resgate dos atingidos pelas enchentes na região de Santa Maria. Além da FAB, aviões da Brigada Militar e da Polícia Civil também vão atuar nos resgates.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.