CartaExpressa

Mourão se irrita com pergunta sobre interferência de Bolsonaro no Enem

Vice defendeu o presidente e negou que tenha ocorrido qualquer interferência no Exame; ‘Vamos baixar a bolinha, né?’, disse a jornalistas

HAMILTON MOURÃO, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA. FOTO: SERGIO LIMA/AFP
HAMILTON MOURÃO, VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA. FOTO: SERGIO LIMA/AFP

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, em uma demonstração de ‘lealdade’ ao bolsonarismo, se irritou com jornalistas após ser questionado sobre as declarações do presidente Jair Bolsonaro em relação ao Enem.

“Vamos baixar a bolinha, né? Vocês conhecem o presidente. Ele tem a maneira de se manifestar. Eu não vou ficar aqui tecendo crítica ao presidente até porque eu sou vice dele. Eu já falei isso para vocês várias vezes. Então, essa pergunta não cabe”, afirmou Mourão irritado.

Bolsonaro chegou a dizer que o Exame Nacional do Ensino Médio deveria ter ‘a cara do governo’. Mourão, no entanto, negou que houve alguma interferência na prova.

“O presidente fez menção simplesmente a algo que é ideia dele. Ele tem liberdade para isso. O Enem está baseado em um banco de dados que foi construído há muito tempo. As questões não estão variando. O governo não mexeu em nenhuma questão do Enem. Questões são feitas de acordo com a metodologia do Inep”, respondeu.

Apesar da negativa, o governo federal terá que de fato se explicar sobre a possível interferência na prova. Denúncias de perseguição política e vigilância velada resultaram em um pedido de demissão de mais de 35 servidores do Inep, órgão responsável pelo exame. Milton Ribeiro, ministro da Educação, será convocado a depor sobre o caso na Comissão de Educação da Câmara, conforme afirmou a presidente do grupo, deputada Dorinha Rezende (DEM-TO).

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!