Bolsonaro diz que prova do Enem vai ter ‘a cara do governo’

Presidente minimizou o recente pedido de demissão em massa no Inep, órgão responsável pela prova

Foto: EVARISTO SÁ/AFP

Foto: EVARISTO SÁ/AFP

Educação,Política

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira 15 que a prova do Enem em 2021 terá mais ‘a cara do governo’. A declaração foi registrada pelo site G1 durante um dos eventos oficiais em Dubai.

“O que eu considero muito também: começam agora a ter a cara do governo as questões da prova do Enem”, disse Bolsonaro.

“Ninguém precisa ficar preocupado. Aquelas questões absurdas do passado, que caíam tema de redação que não tinha nada a ver com nada. Realmente, algo voltado para o aprendizado”, acrescentou o presidente.

A declaração ocorreu poucos dias após a debandada de servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pela formulação da prova. Funcionários denunciaram, após pedirem demissão em massa, que vinham sofrendo pressão política e vigilância velada na elaboração da prova.

“Conversei muito rapidamente com o Milton. Seria bom vocês conversarem com eles, o que levou àquelas demissões. Não quero entrar em detalhes, mas é um absurdo o que se gastava com poucas pessoas lá. Um absurdo, tá?”, disse o ex-capitão sem tratar das denúncias.

Sem fornecer detalhes, Bolsonaro classificou como ‘inadmissível’ o que ocorria no órgão e que, apesar das demissões, o ministro da Educação garantiu que o Enem irá ocorrer ‘na mais absoluta tranquilidade’.

A prova do Enem está marcada para os dias 21 e 28 de novembro. Antes, deputados da Frente Parlamentar de Educação pretendem convocar uma audiência pública na Comissão de Educação da Câmara para esclarecer os fatos. Danilo Dupas, presidente do Inep, deverá ser convocado a depor.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem