CartaExpressa

Moro tem o tamanho que as pesquisas estão revelando, diz Michel Temer

Intenções de voto no ex-juiz somam cerca de 9%, de acordo com as pesquisas divulgadas nas primeiras semanas de 2022

O ex-presidente Michel Temer. Foto: Alan Santos/PR
O ex-presidente Michel Temer. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

Para o ex-presidente Michel Temer (MDB), o ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos) não tem grandes chances de vencer as eleições, já que seu ‘tamanho’ estaria limitado ao que as pesquisas eleitorais revelam. A avaliação foi feita em entrevista a um podcast do site GZH, do Rio Grande do Sul, nesta terça-feira 18.

“Ele [Moro] tem [o tamanho] que as pesquisas estão revelando hoje. Tem 9% a 10%, alguma coisa assim”, avaliou o ex-presidente quando questionado sobre a musculatura da candidatura do ex-juiz.

“Diziam que logo chegaria a 20%, a 25%, e não se deu isso”, acrescentou Temer um pouco mais adiante.

Nas três primeiras pesquisas eleitorais de 2022, Moro varia entre 9% e 11% das intenções de voto. Na Genial/Quaest e na Ipespe, o ex-juiz tem 9%. Já na Exame/Ideia, o ex-ministro tem o melhor desempenho com 11%. Em todos os casos, a candidatura segue distante dos primeiros colocados, Lula (45%) e Jair Bolsonaro (24%).

Há quem diga que Moro pode desistir de concorrer ao Planalto justamente por não ter engrenado nas intenções de voto. Fontes próximas ao ex-juiz revelaram recentemente que Moro deve disputar uma vaga no Senado caso não some 15% até fevereiro. A jornada de crescimento é difícil, segundo os especialistas. Publicamente, Moro nega que irá desistir.

Ao final da avaliação sobre a candidatura do ex-juiz, Temer aliviou sua análise e disse que a declaração é com base apenas no atual momento.

“Se você me perguntar se isso vai continuar até a eleição, é muito cedo dizer o que vai acontecer”, minimizou o político.

Temer já havia sinalizado recentemente que não vê nenhum nome de terceira via com grandes chances de emplacar uma candidatura forte em 2022. Para ele, a disputa será travada entre Lula e Bolsonaro.

O próprio partido de Temer discorda, ao menos publicamente, da avaliação. Não por acaso, a sigla lançou a senadora Simone Tebet como pré-candidata à Presidência da República. Nas pesquisas, a parlamentar varia entre 1% e 2%.

Mesmo tendo lançado a candidatura própria, integrantes do MDB indicam que pretendem apoiar um nome com mais chances de vitória. O próprio ex-presidente confirmou que uma ala do partido quer refazer uma aliança com Lula. Temer disse inclusive que foi procurado por uma ‘pessoa elegante ligada ao petista’ para dialogar.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.