Política

Temer diz ter sido procurado por ‘pessoa elegante ligada a Lula’ e confirma que parte do MDB quer apoiar o PT na eleição

O ex-presidente, que chegou ao poder após o golpe de 2016, ainda declarou que ‘conversar é o que tipifica a democracia’

O ex-presidente Michel Temer. Foto: AFP
O ex-presidente Michel Temer. Foto: AFP

O ex-presidente Michel Temer (MDB), que chegou ao poder após o golpe de 2016, disse nesta quinta-feira 13 que foi procurado por “uma pessoa muito elegante” ligada ao ex-presidente Lula (PT) nos últimos meses. Também admitiu que uma parcela do MDB deseja apoiar o petista nas eleições presidenciais deste ano.

O MDB lançou oficialmente, em dezembro de 2021, a pré-candidatura da senadora Simone Tebet à Presidência da República. Na mais recente pesquisa Quaest/Genial, divulgada na última quarta-feira 12, ela aparece com 1% das intenções de voto. Lula está na liderança do levantamento, que sugere a possibilidade de triunfo do petista já no 1º turno.

“Em dado momento, fui procurado por uma pessoa muito elegante ligada a ele [Lula] e eu disse: ‘Olha, eu compreendo o presidente Lula’. Porque nós temos quilometragem na vida pública. Ele me procurou dois ou três dias depois que o ex-presidente fez um discurso em um sindicato”, disse Temer nesta quinta, em entrevista à CNN Brasil.

“E eu sinto que ele falou para a base dele, dizendo que ‘o Temer e o Bolsonaro destruíram o País’. Eu compreendo o presidente Lula. Ele não disse para mim, mas para a base dele. Mas, evidentemente, neste momento nós vamos conversar, como conversei no passado”, acrescentou.

Temer ainda declarou que “conversar é o que tipifica a democracia” e que, “ao dialogar, se você tiver responsabilidade com o País, pode até tentar influenciar”.

Ao declarar que a candidatura de Simone Tebet “pode prosperar de maneira a reunificar o MDB”, o ex-presidente ponderou que o partido é formado por “muitas tendências”, e uma delas defende o apoio a Lula já no 1º turno das eleições.

“Há uma tendência muito natural, especialmente em eminentes nomes no Nordeste, que estão muito ligados ao eleitorado local. E o eleitorado local, muitas vezes, faz com que eles sejam conduzidos a uma candidatura ‘A’ ou ‘B’, no caso, a candidatura do ex-presidente Lula. Mas ainda faltam 9 meses”, finalizou.

CartaCapital procurou a assessoria de imprensa do ex-presidente Lula, que preferiu não comentar as declarações de Temer.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!