CartaExpressa

Militares usavam perfis falsos no Facebook e Instagram para mentir sobre Amazônia

Dois integrantes das Forças Armadas mantinham dezenas de perfis e páginas nas redes para defender teorias falsas sobre a preservação ambiental no Brasil

Apoie Siga-nos no

Dois militares, que ainda não tiveram suas identidades reveladas, mantinham dezenas de páginas e perfis falsos no Instagram e Facebook usados para mentir e espalhar teorias falsas sobre questões ambientais no País.

A rede foi desmontada pela Meta e, segundo reportagem da rádio CBN nesta quinta-feira 7, que teve acesso antecipado a um relatório trimestral de transparência da empresa, era formada por 14 perfis e nove páginas no Facebook, além de 39 contas no Instagram.

“A dona do Facebook não revelou a identidade destas pessoas, mas disse que encontrou os reais responsáveis pelas páginas. Eles apareciam de farda e identificavam inclusive onde trabalhavam, dentro do ambiente militar”, diz um trecho da reportagem.

De acordo com a publicação, a operação da rede de perfis mantida pelos dois militares atuou mais ativamente no período entre abril e junho de 2020 e foi reativada entre maio e junho do ano seguinte. As páginas continham nomes de usuários falsos e fotos de perfis geradas por inteligência artificial ou computação gráfica.

A dupla, de acordo com a rádio, chegou a criar uma entidade ambiental falsa para defender o sucesso do Brasil na luta contra o desmatamento com o apoio do Exército. Nos últimos três anos, no entanto, o País tem acumulado recordes negativos na área. As publicações falsas tiravam a responsabilidade do governo e das Forças Armadas sobre os números e atribuíam a culpa por problemas climáticos a cidadãos comuns.

Entre as publicações ainda havia exaltação de militares, a celebração de operações reais do Exército, como a distribuição de água ao semiárido brasileiro, e até algumas críticas à condução do governo de Jair Bolsonaro (PL) na pandemia.

Conforme destaca a reportagem, pelo documento da Meta, não fica claro se a empresa levou o caso para a Justiça brasileira. Questionada, a empresa disse estar à disposição das autoridades. Também não fica claro se a ação dos militares foi uma iniciativa pessoal ou ocorreu a mando de um terceiro envolvido. Ainda de acordo com a reportagem, além do Brasil, o relatório menciona situações de infração dos termos de uso das redes no Azerbaijão, nas Filipinas e na Rússia.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.