CartaExpressa

Lula sanciona lei para amenizar a queda de repasses a municípios com redução populacional

A lei estabelece uma transição de dez anos para as cidades migrarem para uma faixa de coeficiente inferior no Fundo de Participação dos Municípios

Foto: Evaristo Sa/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) sancionou uma lei complementar que mantém os coeficientes do Fundo de Participação dos Municípios de cidades que tiveram uma redução populacional aferida pelo censo demográfico.

A decisão foi assinada horas depois da divulgação dos dados populacionais do Censo de 2022, pelo IBGE.

De acordo com o levantamento, dos 5.570 municípios do Brasil, 2.399 perderam habitantes entre 2010 e 2022, o que representa 43% do total.

A decisão do governo visa evitar bruscas quedas de arrecadação, estabelecendo uma transição de dez anos para os municípios migrarem para uma faixa de coeficiente inferior do fundo.

O Fundo de Participação dos Municípios é composto a partir do resultado da arrecadação federal com o Imposto de Renda e o Imposto sobre Produtos Industrializados. 22,5% desses recursos formam o FPM. O número populacional é levado em conta para definir um coeficiente de repasse de recursos. Quanto menor a população, portanto, menos as prefeituras recebem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.