Política

Os índices de avaliação do governo Lula após seu 1º semestre, segundo nova pesquisa

O PoderData colheu os dados entre 25 e 27 de junho, por meio de ligações para celulares e telefones fixos

O presidente Lula em viagem à França. Foto: Lewis Joly/POOL/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo do presidente Lula encerra seu primeiro semestre aprovado por 51% dos brasileiros e reprovado por 43%, segundo uma pesquisa PoderData divulgada nesta quinta-feira 29. 6% não souberam responder.

Em abril, na marca dos cem primeiros dias de gestão, o governo era aprovado por 49% e desaprovado por 41%, de acordo com o levantamento.

O governo é mais bem avaliado por jovens (63%), idosos (62%), pessoas que cursaram até o ensino fundamental (62%), católicos (60%), entre quem ganha até dois salários mínimos (54%) e os que ganham de dois a cinco salários (51%).

Já as taxas de reprovação mais acentuadas aparecem na faixa etária de 25 a 44 anos (50%), nos moradores das regiões Sul (52%) e Centro-Oeste (52%) e entre os que cursaram até o ensino médio (50%).

A desaprovação a Lula entre os evangélicos foi de 60% em abril para 62% em junho, ao passo em que a aprovação foi de 31% para 34%. Entre os católicos, a aprovação saiu de 58% para 60% e a desaprovação oscilou de 31% para 33%.

O PoderData também questionou os entrevistados sobre a avaliação do trabalho pessoal de Lula. Para 41%, ele é bom ou ótimo, enquanto para 32% é ruim ou péssimo e para 25% é regular. 2% não souberam responder.

Os dados foram colhidos entre 25 e 27 de junho, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Houve 2.500 entrevistas em 262 municípios das 27 unidades da Federação. A margem de erro é de dois pontos percentuais, em um intervalo de confiança de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo