CartaExpressa

Lula: Não sei qual é o desentendimento sobre aborto. É apenas uma questão de bom senso

‘Eu não quero saber porque ela está abortando, mas o Estado tem que cuidar. Não sei qual é o desentendimento que as pessoas têm sobre isso’, afirmou em entrevista

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula (PT) voltou a afirmar que, caso seja eleito a um terceiro mandato, pretende colocar em pauta políticas para a descriminalização do aborto no Brasil por se tratar de uma questão de saúde pública. A posição já havia sido externada e causado polêmica entre os setores conservadores. O petista, no entanto, rebateu, afirmando que o tema vai além de qualquer convicção pessoal e se trata de um dever do Estado.

“É preciso transformar o aborto em uma questão de saúde pública. Essas pessoas que querem abortar devem ter o direito de se tratar na saúde pública”, destacou. “Ora, mesmo eu sendo pessoalmente contra o aborto, ele existe e existe de forma diferente para quem tem um poder aquisitivo bom. Essa pessoa procura uma clínica boa, quem sabe até no exterior, e vai se tratar. E a pessoa pobre? Como ela faz?”, questionou Lula.

Para ele, a revolta de setores conservadores a respeito da sua manifestação pública pela descriminalização da prática e em defesa da saúde e dos direitos das mulheres é ‘injustificada’.

“Eu não quero saber porque ela está abortando, mas o Estado tem que cuidar. Não sei qual é o desentendimento que as pessoas têm sobre isso. É apenas uma questão de bom senso. Ele existe por mais que a lei proíba e a religião não goste”, defendeu o ex-presidente.

Na América Latina e em países da Europa a política defendida por Lula já tem sido adotada. A descriminalização foi defendida, inclusive, na Organização Mundial da Saúde no início de março. Segundo a entidade, 25 milhões de mulheres são postas em perigo todos os anos em clínicas e procedimentos clandestinos.

As movimentações mais recentes em torno do tema ocorreram na Colômbia, que descriminalizou o aborto nas primeiras 24 semanas de gravidez; na França, quando o direito foi estendido para até 14 semanas; e no Chile, onde o direito foi incluído no novo projeto de Constituição do país.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.