Mundo

Direito ao aborto é incluído no projeto de Constituição do Chile

O objetivo é garantir o ‘exercício livre de violências e da interferência de terceiros, sejam eles indivíduos ou instituições’

Ato a favor da descriminalização do aborto em Santiago, em janeiro de 2022. Foto: Claudio Reyes/AFP
Ato a favor da descriminalização do aborto em Santiago, em janeiro de 2022. Foto: Claudio Reyes/AFP
Apoie Siga-nos no

A Convenção Constitucional do Chile aprovou nesta terça-feira 15 a inclusão da interrupção voluntária da gravidez no projeto de Constituição que está sendo elaborado para substituir a atual Carta Magna, herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Com 108 votos a favor, 39 contra e 6 abstenções, o plenário da Convenção aprovou o parágrafo do artigo sobre direitos sexuais e reprodutivos que indica que o Estado deve fornecer “as condições para uma gravidez, uma interrupção voluntária da gravidez, parto e maternidade voluntários e protegidos”.

“Da mesma forma, garante seu exercício livre de violências e da interferência de terceiros, sejam eles indivíduos ou instituições”, acrescenta o texto.

No Chile, o aborto é permitido por três motivos: risco de vida da mãe, inviabilidade fetal e estupro. No Congresso, discute-se a descriminalização do aborto.

A norma sobre o direito ao aborto fará parte do projeto de Constituição que a Convenção Constitucional deve entregar até 4 de julho.

Depois disso, a nova Carta Magna será submetida a um plebiscito no qual os chilenos decidirão se ela entrará em vigor ou não. Se rejeitada, a Constituição de Pinochet será mantida.

“Tenho 52 anos, 47 de ausência da minha mãe, que perdeu a vida durante um aborto séptico”, disse a constituinte Loreto Vidal, em um discurso emocionado durante o debate sobre o tema. “Para ela e muitas outras não existiam garantias, segurança e proteção. É muito fácil julgar. Há milhares de mulheres corajosas que nos ensinaram a ser capazes de olhar a situação por trás da tomada dessas decisões.”

A votação da norma foi realizada na sede da Convenção, no antigo prédio do Congresso em Santiago, cujo entorno foi ocupado por grupos de apoio ao aborto, bem como manifestantes contra a interrupção da gestação.

Até o momento, a Convenção Constitucional já aprovou pelo menos 56 artigos do projeto da nova Constituição.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.