CartaExpressa

Lira diz que prisão de Chiquinho Brazão é ‘sensível’ e será tratada com o ‘máximo de cuidado’

Com o pedido de vista na CCJ, a análise ficou adiada para abril

23.03.2023-Arthur Lira fala com jornalistas. Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta terça-feira 26, a análise sobre a prisão do deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), suspeito de ter mandado matar a vereadora Marielle Franco, será feita com “máximo cuidado” e que pedido de vista não atrapalha o processo. 

A declaração ocorreu logo após a Comissão de Constituição e Justiça pedir vista sobre o processo para ter mais tempo para analisar o caso. 

“Houve pedido de vista. A vista compreende duas sessões. Não há nenhum prejuízo para o processo, investigação, porque todo o tempo que transcorrer é em desfavor do réu que continuará preso até que o plenário se posicione em votação aberta. É um caso difícil e sensível para todos nós”, afirmou Lira.

Os pedidos de vista foram dos deputados Gilson Marques (Novo-SC), Roberto Duarte (Republicanos-AC) e Fausto Pinato (PP-SP), após o deputado Darci de Matos (PSD-SC), relator do caso na CCJ, dar parecer favorável à manutenção da prisão.

Como o prazo do pedido de vista é de duas sessões do plenário da Câmara, a análise pode ocorrer somente no dia 9 ou no dia 10 de abril, após o feriado de Páscoa. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar