CartaExpressa

Justiça rejeita ação contra Janja movida por vereador sobre live do Dia da Mulher

Para celebrar a data, a primeira-dama apresentou trecho de um programa transmitido pela TV Brasil Gov

Apoie Siga-nos no

A Justiça Cível Federal de São Paulo rejeitou a abertura de uma ação popular contra a primeira-dama Janja da Silva proposta para questionar a presença da esposa do presidente Lula (PT) na programação da TV Brasil Gov no Dia das Mulheres. 

No pedido, o vereador de São Paulo Rubinho Nunes (União), ex-integrante do MBL, afirmou que a primeira-dama teria usado a estrutura da TV Brasil, um canal público, para enaltecer as “supostas bondades” do presidente, afrontando os princípios da administração pública. 

Na decisão, o juiz federal Djalma Moreira Gomes apontou que o parlamentar não apresentou o tipo de pedido adequado para questionar o fato e por isso a ação não deveria prosperar. 

“A presente ação popular, na verdade, assume feições de uma ação civil pública, de modo que o autor não detém legitimidade para tanto”, disse o magistrado. “Por conseguinte, sob qualquer ângulo que se examine a matéria, tem-se que a presente ação não reúne condições para ter seu mérito enfrentado.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar