CartaExpressa

Janja e Lula adotam cachorra resgatada das enchentes no Rio Grande do Sul

Batizada de ‘Esperança’, a cachorra será o terceiro animal de estimação do casal

Créditos: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama, Janja da Silva, adotou uma cachorra vítima da tragédia das chuvas no Rio Grande do Sul.

A adoção aconteceu no município de Canoas, região metropolitana de Porto Alegre. Em um vídeo publicado em suas redes sociais, Janja destacou que só no abrigo onde fez a adoção são 400 animais necessitando de cuidados. Na postagem, a primeira-dama fez agradecimentos à Associação 101 viralatas e à Secretaria Municipal de Bem Estar Animal.

No mesmo vídeo, a cachorra aparece no colo do presidente Lula, em um avião, sendo levada a Brasília.

Batizada de ‘Esperança’, a cachorra será o terceiro animal de estimação de Janja e Lula, que já são tutores das fêmeas Paris e Resistência.

Resistência, aliás, foi a primeira cachorra a subir a rampa do Palácio do Planalto junto a Lula (PT), em sua posse no 1º de janeiro deste ano. A vira-lata de 4 anos também foi adotada por Janja, em 2018, quando Lula esteve preso em Curitiba.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.