CartaExpressa

Justiça Militar condena policial que pisou o pescoço de uma mulher negra em SP

O caso aconteceu em maio de 2020, durante uma abordagem policial na zona sul da capital

Imagens mostram policial pisando no pescoço da mulher Foto: Fantástico/Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Tribunal de Justiça Militar de São Paulo condenou o policial que pisou sobre o pescoço de uma mulher negra durante uma abordagem na zona sul da capital.

O PM João Paulo Servato, que pisou na vítima, foi condenado a 1 ano e 2 meses e 12 dias de reclusão mais 1 ano de detenção; também foi decretada pena de 1 anos, 2 meses e 12 dias de reclusão para o PM Ricardo de Morais Lopes, que acompanhava a abordagem.

A decisão foi seguida em unanimidade pelo júri, composto de dois coronéis da Polícia Militar e um magistrado civil. Os integrantes seguiram o voto do relator do caso, o coronel Fernando Pereira.

A decisão em segunda instância atende a um recurso do Ministério Público Estadual e da assistência de acusação, além de reformar uma decisão da Justiça Militar, de agosto do ano passado, que absolveu Servato. A defesa dos policiais afirmou que vai recorrer da decisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar