CartaExpressa

Justiça amplia multa para sindicatos em dia de paralisação da CPTM

A nova decisão atende a um pedido da companhia e fixa o valor de 500 mil reais a três entidades

Registro de paralisação do Metrô e da CPTM, em São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A juíza Raquel Gabbai de Oliveira, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, aumentou na tarde desta terça-feira 3 a multa imposta a sindicatos de trabalhadores da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, a CPTM, pelo decumprimento de uma decisão que ordenava o funcionamento de 100% dos serviços no horário de pico, entre 4h e 10h.

Três das cinco linhas estão paralisadas desde o início desta terça. A nova decisão atende a um pedido da CPTM e fixa o valor de 500 mil reais de multa a cada um de três sindicatos. Antes, os 500 mil deveriam ser divididos entre todas as entidades.

A CPTM, por sua vez, pedia o reajuste da multa para 1 milhão de reais.

Desde o início do dia, funcionários do Metrô, da CPTM e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, promovem uma greve unificada para reivindicar melhores condições de trabalho e contestar a privatização dos serviços. Eles denunciam que transferir o controle do poder público para a iniciativa privada tende a encarecer tarifas e piorar a qualidade dos serviços.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.