CartaExpressa

‘Já ganhou, cala a boca e vai trabalhar’, diz Guedes sobre o governo Lula

O ministro da Economia de Jair Bolsonaro criticou a PEC da Transição, carro-chefe do início da nova gestão

O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

Em seus últimos dias no posto de ministro da Economia, Paulo Guedes criticou nesta sexta-feira 18 a PEC da Transição e a troca de bastão para o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em cerimônia da Secretaria de Política Econômica, Guedes alegou ser “um estouro fazer uma PEC fora do teto, sem fonte de financiamento”.

“Já ganhou, cala a boca, vai trabalhar, construir um negócio legal. O desafio é grande, mas a oportunidade é maior”, afirmou o bolsonarista. “Se fizer menos barulho e trabalhar um pouquinho mais com a cabeça e menos com a mentira, talvez possa ser um bom governo. Só depende de não mentir. E de outras coisas também.”

Apesar da retórica de Guedes, os gastos do governo de Jair Bolsonaro (PL) acima do teto somam 794,9 bilhões reais de 2019 a 2022, segundo um levantamento do economista Bráulio Borges, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, realizado a pedido da BBC News Brasil.

A PEC da Transição, carro-chefe do governo eleito, permitiria o pagamento do novo Bolsa Família de 600 reais (com um adicional de 150 reais para famílias com crianças de até 6 anos) e o aumento real do salário mínimo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar