CartaExpressa

Guedes culpa comida e energia por inflação e diz que há alta no mundo todo

O ministro da Economia voltou a afirmar que a offshore mantida em paraíso fiscal é legal: ‘Eu não fiz nada de errado’

O MINISTRO DA ECONOMIA, PAULO GUEDES. FOTO: EDU ANDRADE/ASCOM/ME
O MINISTRO DA ECONOMIA, PAULO GUEDES. FOTO: EDU ANDRADE/ASCOM/ME

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira que metade da inflação no País se deve a comida e energia e que há alta em todo o mundo.

“A inflação está em todo o mundo. Metade da inflação é exatamente comida e energia. Por isso, nossa proteção [social] ainda está lá. Vamos manter essa proteção. Vamos aumentar a transferência direta de renda para população pobre para cobrir os preços dos alimentos e da energia”, afirmou Guedes em entrevista à CNN Internacional. O ministro se encontra em Washington para participar de reunião anual do FMI e do Banco Mundial.

O ministro se referiu ao programa Auxílio Brasil que pretende substituir o Bolsa Família e que, de acordo com o governo, pretende elevar o benefício médio repassado para as famílias dos atuais R$ 190 para cerca de R$ 300 por mês. A estimativa anunciada de atendimento, no entanto, preocupa especialistas.

O programa prevê atendimento a 17 milhões de pessoas o que é a demanda atual do Bolsa Família, sem considerar a enorme lista de espera piorada com a pandemia e suas mais de 600 mil vítimas fatais.

O IPCA, índice oficial de inflação do país, atingiu 1,16% em setembro e acumula alta de 10,25% em 12 meses. O indicador anualizado é quase o dobro do teto da meta de inflação perseguida pelo BC, Banco Central, de 5,25%.

Questionado sobre a manutenção de offshore em paraíso fiscal, o ministro disse que a empresa é legal e foi declarada e informada à comissão de ética da Presidência da República. Ainda lembrou que se afastou da gestão da empresa antes de assumir o cargo no governo do presidente Jair Bolsonaro. “Eu não fiz nada de errado”.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!