CartaExpressa

GCM de São Paulo prende 4 pessoas por suspeita de apologia ao nazismo

O caso aconteceu na segunda-feira 20, Dia da Consciência Negra

Créditos: EBC
Apoie Siga-nos no

A Guarda Civil Metropolitana de São Paulo prendeu quatro homens que portavam armas brancas e adereços com alusão ao nazismo, na segunda-feira 20, Dia da Consciência Negra. O caso foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Com os quatro detidos – dois de 19 anos, um de 21 e outro de 26 – foram encontrados facas e canivetes, além de cartazes com referências ao orgulho paulista, aos bandeirantes e a armas. Um dos celulares dos detidos tinha a imagem de Adolf Hitler como papel de parede.

A denúncia partiu de uma pessoa que saía do Parque Tietê, na zona norte da cidade, e estranhou o fato de um dos integrantes utilizar uma camiseta com a frase “white lives matter” (“vidas brancas importam”) e de o grupo colar cartazes no muro da Universidade Zumbi dos Palmares.

Os homens foram encaminhados ao 2º DP, no Bom Retiro, no centro da capital, mas foram liberados.

Um deles foi indiciado por receptação, por estar com um celular com queixa de furto, além de incitação ao crime e porte de arma branca. Os outros três foram indiciados por incitação ao crime e porte de arma branca. Os celulares em posse dos suspeitos foram apreendidos e passarão por perícia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.