CartaExpressa

Senador defende castração química e diz que o Brasil está ‘atrasado’; CCJ votará o texto

Styvensom Valentim (Podemos-RN) é autor de um PL que prevê a castração voluntária de reincidentes em crimes sexuais

Créditos: Waldemir Barreto / Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O senador Styvensom Valentim (Podemos-RN) defendeu, nesta quinta-feira 16, seu projeto de lei que prevê a castração química de criminosos sexuais.

A Comissão de Constituição e Justiça votaria o texto na última quarta 15, mas adiou a análise após um pedido de vista do senador Weverton (PDT-MA).

O projeto tramita na CCJ de forma definitiva – ou seja, se for aprovado, seguirá direto à Câmara dos Deputados, caso não haja um recurso para votação em plenário.

“Não vejo como penalidade a castração química, mas como um auxílio àquele criminoso, porque ele pode voltar para a sociedade, claro, de forma mais segura. É um tratamento”, alegou Valentim. “A gente está atrasado há décadas em legislação como essa.”

Segundo o projeto, o tratamento será voluntário e oferecido a reincidentes em estupro, violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável. Se o tratamento hormonal for acatado pelo condenado, ele receberá liberdade condicional.

O projeto original previa também a castração física, uma intervenção cirúrgica permanente para contenção da libido e da atividade sexual. No entanto, o relator, Angelo Coronel (PSD-BA), considerou essa medida inconstitucional e a retirou da matéria.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.