CartaExpressa

Fux derruba decisão que reconhecia vínculo entre motorista e aplicativo

O ministro reforçou que a Corte já atestou a constitucionalidade de modalidades diversas da CLT

O presidente do STF, Luiz Fux. Foto: Felipe Sampaio/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, derrubou na qunta-feira 28 uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região que havia reconhecido vínculo empregatício entre um motorista e a Cabify.

A empresa recorreu ao STF após o TRF-3 atestar a relação. A defesa da Cabify sustenta que os motoristas são “profissionais liberais autônomos, que se tornam parceiros de plataformas, e desempenham atividades de natureza estritamente civil, sem qualquer vínculo de emprego”.

Ao acolher a demanda da plataforma, Fux reforçou que o Supremo “já decidiu em inúmeros precedentes o reconhecimento de modalidades de relação de trabalho diversas das relações de emprego dispostas na CLT”.

O ministro também citou precedentes nos quais a Corte declarou a constitucionalidade da terceirização pelas empresas privadas, inclusive de atividades-fim.

Alexandre de Moraes já havia proferido decisões semelhantes a afastarem o vínculo empregatício entre motoristas e empresas de aplicativo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.