CartaExpressa

Eduardo Bolsonaro vai ao ‘bunker’ de Milei e diz ver semelhança com o Brasil de 2018

O ultradireitista argentino disputa uma vaga no segundo turno com Sergio Massa e Patricia Bullrich

Foto: Reprodução/elTresTV
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) foi a Buenos Aires e acompanha a apuração dos votos para presidente da Argentina no “bunker” do ultradireitista Javier Milei, do partido La Libertad Avanza, neste domingo 22.

Os outros dois favoritos a chegar ao segundo turno são o peronista Sergio Massa, do Unión por La Patria, e a direitista Patricia Bullrich, do Juntos por el Cambio.

Mais cedo, o parlamentar brasileiro de extrema-direita disse ver “uma ligação muito forte entre o que acontece na Argentina e o que aconteceu no Brasil em 2018 com Jair Bolsonaro”. A declaração foi reproduzida pelo jornal Clarín.

Os centros de votação para as eleições presidenciais na Argentina fecharam às 18h. A participação eleitoral era de 74% na hora do encerramento, de acordo com a Câmara Nacional Eleitoral. O órgão ainda não divulgou qualquer parcial com a apuração dos votos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.