CartaExpressa

Dino encaminha para PF suspeitas de fraudes em auxílios pagos na gestão Bolsonaro

Possíveis irregularidades foram identificadas pela CGU e agora, segundo o ministro, serão investigadas pela Polícia Federal

Arthur Soares / SEGAB/GOVSE
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, informou que encaminhou para a Polícia Federal os indícios de fraudes nos pagamentos de auxílios na gestão de Jair Bolsonaro (PL). A afirmação foi feita nesta terça-feira 6, nas redes sociais do ministro.

As suspeitas citadas versam sobre inconsistências identificadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) no pagamento de auxílios para caminhoneiros e taxistas, benefícios criados na gestão anterior às vésperas das eleições. A ordem da fraude chegaria a 6 bilhões de reais.

Há ainda suspeitas sobre os pagamentos do Auxílio Brasil. Neste caso, a gestão de Bolsonaro pode ter desembolsado quase 4 bilhões irregularmente. O CadÚnico, base de dados usada para o pagamento, por exemplo, tinha mais de 1 milhão de falecidos que ainda constavam como ativos na gestão passada.

As suspeitas agora, segundo Dino, serão investigadas pela PF:

“A Controladoria Geral da União (CGU) identificou indícios de fraudes no pagamento de auxílio-taxista e de auxílio-caminhoneiro, em 2022. Estou enviando os relatórios à Polícia Federal para investigação dos agentes responsáveis pelos pagamentos indevidos”, escreveu o ministro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.