CartaExpressa

Deputada vai à PGE e pede a inelegibilidade de Bolsonaro por uso da Caixa na eleição de 2022

A solicitação partiu de Luciene Cavalcante (PSOL-SP). A parlamentar também acionou o TCU

O ex-presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Luciene Cavalcante (PSOL-SP) apresentou nesta segunda-feira 29 à Procuradoria-Geral Eleitoral um pedido para que Jair Bolsonaro (PL) seja declarado inelegível. A peça se baseia em suposta prática de abuso de poder político e econômico por meio da utilização, com fins eleitorais, da Caixa Econômica Federal.

Cavalcante apresentou o pedido após o UOL revelar, nesta segunda, como a estratégia de Bolsonaro para tentar vencer as eleições de 2022 causou um calote sem precedentes no banco.

De acordo com a publicação, ao abrir duas linhas de crédito – para a população negativada e para beneficiários do Auxílio Brasil – Bolsonaro, com o aval do ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães, não garantiu meios para que o dinheiro retornasse ao banco. Na prática, o que se vê atualmente é a alta inadimplência.

“Ante os indícios de abuso do poder econômico e político e a intenção de compra de votos, serve a presente para requerer deste órgão as medidas cabíveis para representação dos fatos ante à Justiça Eleitoral do representado, por fim aplicando-o multa e tornando inelegível”, diz o ofício enviado pela deputada à PGE.

Luciene Cavalcante ainda acionou o Tribunal de Contas da União para cobrar uma investigação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.