CartaExpressa

Datafolha: Maioria vê Lula como o mais preparado para enfrentar a pobreza

O petista também é considerado por metade dos entrevistados o mais preparado para combater o desemprego

Lula durante ato em Belo Horizonte. Foto: Douglas Magno/AFP
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira 19 aponta que 54% dos eleitores consideram Lula (PT) o candidato mais preparado para combater a pobreza, enquanto 27% indicam Jair Bolsonaro (PL).

O petista também é visto por metade dos entrevistados (50%) como o mais preparado para combater o desemprego; por 47% para fazer o Brasil crescer; por 44% para cuidar da saúde; e por 43% para cuidar da educação.

Bolsonaro, por sua vez, é mencionado por 29% dos eleitores como o mais preparado para enfrentar o desemprego; por 31% para fazer o Brasil crescer; por 28% para cuidar da saúde; e por 29% para cuidar da educação.

Ao medir as intenções de voto, a pesquisa Datafolha segue apontando vantagem confortável para Lula. A distância entre ele e Bolsonaro no primeiro turno, contudo, caiu de 18 para 15 pontos percentuais na comparação com a rodada anterior, de 28 de julho. No segundo turno, o petista venceria por 17 pontos (eram 20).

A pesquisa ouviu 5.744 pessoas, presencialmente, em 281 municípios e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O registro no Tribunal Superior Eleitoral é BR-09404/2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.