CartaExpressa

CPI da Covid reage a alegações de Aras: ‘Tentativa de ludibriar os brasileiros’

O procurador-geral da República disse que o material entregue pela comissão ‘não atendia aos requisitos legais’

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A cúpula da CPI da Covid reagiu à declaração do procurador-geral da República, Augusto Aras, de que os documentos entregues pela comissão à PGR não atendiam “aos requisitos legais”.

Em nota, os senadores afirmam que o chefe do Ministério Público Federal “faz mais uma tentativa para ludibriar os brasileiros, ofuscar sua inércia diante do relatório da CPI e sua disposição para acobertar os criminosos desse morticínio”.

Os parlamentares reforçam que todas as provas foram enviadas ao MPF, que os documentos probatórios são fartos e que o material está em poder de Aras há mais de 100 dias.

“Destacamos ainda que o último envio de provas – o terceiro, desde o encerramento da comissão – foi realizado também via Supremo Tribunal Federal. É uma forma de garantir transparência, levar ao conhecimento dos ministros todas as provas já enviadas ao PGR e evitar que a sanha de Aras pela impunidade tenha êxito”, escrevem os senadores.

A nota é assinada por Omar Aziz, Randolfe Rodrigues, Renan Calheiros, Otto Alencar, Humberto Costa, Fabiano Contarato, Eliziane Gama, Simone Tebet, Tasso Jereissati e Zenaide Maia.

 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.