CartaExpressa

Comissão de Ética investiga ingerência de Ricardo Salles em operação contra madeireiros

Relatório da PF já apontou que o bolsonarista atendeu a pedidos de empresas para liberar cargas apreendidas

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABR
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República instaurou um processo de apuração contra o deputado federal e ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (PL-SP). O processo foi instaurado em 30 maio e revelado nesta segunda-feira 5 pela GloboNews.

A comissão apurará se Salles praticou ingerência em uma operação da Polícia Federal contra exportação ilegal de madeira, realizada em 2021. À época, um relatório da PF indicou que o ex-ministro atendeu a pedidos de empresas exportadoras para liberar cargas de madeira embargadas e apreendidas.

À PF, Salles já admitiu ter se reunido com madeireiros quando era chefe da pasta, mas disse que a agenda ocorreu a pedido de Luiz Eduardo Ramos, ex-ministro da Secretaria de Governo.

Processos administrativos dessa natureza estão na alçada da Comissão de Ética, criada em 1999 para aplicar o Código de Conduta da Alta Administração Federal. Caso o agente público seja punido, será criada uma espécie de “ficha suja”, que pode impedir promoções futuras no Executivo. 

No início de abril, a Comissão puniu o ex-ministro da Educação do governo Bolsonaro Abraham Weintraub, que afirmou, sem provas, que universidades do País plantavam maconha.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar