CartaExpressa

Cirurgia de Lula fica para depois de viagens a Cuba, México, Índia e EUA

O petista afirmou que tem postergado o procedimento em razão dos compromissos presidenciais

Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou que se submeterá a uma cirurgia no quadril após uma série de agendas internacionais, em 29 de setembro. 

Esta será a terceira operação realizada no quadril para tentar sanar uma dor crônica. A previsão é implantar uma prótese na região. 

O procedimento ocorrerá após Lula retornar de uma maratona de viagens, iniciada pelo encontro do G20 na Índia e com uma passagem por Cuba e México, terminando na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, em Nova York.

“Vou a Nova York participar da ONU, vou a Cuba no encontro do G77. Quando eu voltar, vou receber o presidente do Vietnã, dia 26, e aí eu vou me preparar para fazer a cirurgia”, disse.

Lula ainda afirmou que tem postergado o procedimento em razão dos compromissos presidenciais. 

“Desde o ano passado eu tenho um problema na cabeça do fêmur e estou sendo instigado a fazer uma cirurgia no quadril. E eu não quis fazer. Primeiro porque eu estava em campanha, depois porque ganhei e agora preciso governar, recuperar tudo o que eles destruíram. Agora não posso parar enquanto não viajar.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.