Política

Lula diz que juros ainda estão altos e critica Campos Neto: ‘Se ele conversa com alguém, não é comigo’

‘Ele deve conversar com que o indicou e quem o indicou não fez coisas boas nesse País’, disse o presidente

Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, nesta sexta-feira 1º, durante cerimônia de comemoração aos 18 anos de criação do Programa Agroamigo e de 25 anos do Programa Crediamigo, em Fortaleza.

O petista voltou a defender a necessidade de queda de juros e afirmou que não tem diálogo com o presidente do BC.

“O cidadão do Banco Central precisa saber que ele é presidente do Banco Central do Brasil e não do Banco Central de um país que não seja o Brasil, e que precisa baixar o juros. Não é possível”, disse. “Então, nós vamos continuar brigando.”

“É importante vocês saberem: o presidente do Banco Central não foi indicado por nós. Ele foi indicado pelo presidente anterior. E o Banco Central agora é autônomo. Não tem mais interferência da Presidência da República e conversar. Esse cidadão, se ele conversa com alguém, não é comigo. Ele deve conversar com quem o indicou. E quem o indicou não fez coisas boas nesse país. A sociedade brasileira vai descobrir com o tempo”, continuou.

Lula ainda afirmou que ,mesmo com o último corte na taxa de juros – a primeira em três anos – a Selic ainda continua alta.

“O juro ainda está alto. Porque 2,16% ao mês é muita coisa. Dá quase 30% ao ano, porque é juros sobre juros. Então, nós precisamos baixar ainda. Obviamente que nós também não queremos quebrar o banco, porque o banco tem que dar o lucro. Porque se quebrar, vai ser muito pior.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo