CartaExpressa

Cessar-fogo em Gaza é mais urgente a cada hora que passa, diz chefe da ONU

Para António Guterres, todas as partes devem ‘deter este sofrimento coletivo desumano’

Tanque israelense em ação perto da fronteira com a Faixa de Gaza, em 6 de novembro de 2023. Foto: Menahem Kahana/AFP
Apoie Siga-nos no

O secretário-geral da ONU, o português António Guterres, pediu nesta segunda-feira 6 um cessar-fogo imediato no conflito entre Israel e o Hamas e alertou que o incessante bombardeio contra a Faixa de Gaza transforma o enclave em um “cemitério de crianças”.

“A catástrofe que se desenrola torna a necessidade de um cessar-fogo humanitário mais urgente a cada hora que passa”, disse o português a jornalistas na sede da ONU, em Nova York. “As partes em conflito – e a comunidade internacional – enfrentam uma responsabilidade imediata e fundamental: deter este sofrimento coletivo desumano e ampliar drasticamente a ajuda humanitária a Gaza.”

O ataque sem precedentes do Hamas contra Israel em 7 de outubro deixou cerca de 1.400 mortos. Desde então, o Estado de Israel bombardeia Gaza e já matou mais de 10.000 pessoas, incluindo 4.000 crianças, segundo o Ministério da Saúde do enclave.

Guterres ainda defendeu mobilizar um pacote de ajuda humanitária da ONU no valor de 1,2 bilhão de dólares para atender os cerca de 2,7 milhões de palestinos que vivem na Faixa de Gaza e nos territórios da Cisjordânia e de Jerusalém oriental, ocupados por Israel. Caminhões de ajuda chegaram a Gaza a partir do Egito pela passagem de Rafah, mas em volume insuficiente.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar