CartaExpressa

Bolsonaro repete encontros com ministro da Educação após escândalos com verbas do MEC

A cada novo episódio envolvendo o FNDE, ex-capitão se reúne com Victor Godoy no dia seguinte

Jair Bolsonaro e Victor Godoy. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quinta-feira 2 repetiu, pela terceira vez, uma espécie de padrão na agenda oficial: quando um novo episódio dos escândalos envolvendo verbas do Fundo Nacional de Educação (FNDE) vem à tona, ele se reúne, no dia seguinte, com o ministro da Educação Victor Godoy Veiga. Os dados são da agenda oficial do ex-capitão divulgada no site do Planalto.

Nesta quinta, por exemplo, o encontro marcado para às 14 horas e 30 minutos acontece um dia após o jornal O Globo revelar que a Controladoria-Geral da União identificou a tentativa de compra de cadeiras e mesas para escolas superfaturadas em cerca de 1,6 bilhão de reais. As suspeitas ainda envolvem a quantidade de cadeiras e as empresas que participaram da disputa.

O mesmo ocorreu no dia 26 de abril, quando Bolsonaro recebeu Godoy poucas horas após o Tribunal de Contas da União suspender a compra de kits de robótica com suspeitas de superfaturamento. Os itens eram adquiridos de uma empresa que pertence a um aliado do deputado Arthur Lira (PP-AL) e eram adquiridos com recursos do FNDE. As escolas agraciadas com o equipamento ficavam em redutos eleitorais de aliados do governo e do Centrão e, em alguns casos, não possuíam internet ou saneamento básico.

Por fim, consta ainda na agenda um encontro de Godoy com Bolsonaro no dia 11 de abril, apenas um dia após a revelação do esquema batizado de ‘escolas fake’. Naquela ocasião, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o governo liberou a construção de 2 mil novas escolas e creches mesmo sem finalizar outras 3,5 mil obras paradas. O recurso para a construção dos novos espaços também não existe e levaria 51 anos para ser pago pelo FNDE. A liberação foi apontada apenas como uma medida eleitoreira por parte do governo federal, que usou o tema para beneficiar a campanha de aliados.

Os registros ainda mostram que em duas destas datas o presidente também se reuniu com Ciro Nogueira, que está no centro dos escândalos por ser o responsável pela indicação do presidente do FNDE, Marcelo Ponte. É o caso da agenda desta quinta, quando o ex-capitão recebe Nogueira por volta das 11 horas. O mesmo aconteceu no dia 11 de abril, quando, segundo o registro oficial, o ministro foi recebido em uma agenda marcada para 15 horas e 35 minutos.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.