CartaExpressa

Bolsonaro defende Pazuello: ‘Se tivesse negociando propina não teria vídeo’

Bolsonaro defende Pazuello: ‘Se tivesse negociando propina não teria vídeo’

A gravação também prova que Pazuello mentiu em depoimento à CPI da Covid no Senado, mesmo estando sob juramento

Eduardo Pazuello e Jair Bolsonaro. Reprodução/Redes Sociais

Eduardo Pazuello e Jair Bolsonaro. Reprodução/Redes Sociais

Em conversa com apoiadores no ‘cercadinho do Alvorada’, o presidente Jair Bolsonaro saiu novamente em defesa do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello após reportagens revelarem um vídeo em que o general aparece negociando vacinas com empresários.

O vídeo mostra um encontro fora da agenda oficial, em que Pazuello teria negociado com uma empresa intermediária, a World Brands, a compra de 30 milhões de doses de Coronavac ao custo de 28 dólares, quase três vezes mais do que o preço praticado pelo laboratório.

A gravação também prova que Pazuello mentiu em depoimento à CPI da Covid no Senado, mesmo estando sob juramento. Na oitiva, o ex-ministro disse que nunca se reuniu com empresários para negociar vacinas.

Aos apoiadores, Bolsonaro tentou justificar: “Se tivesse negociando propina não teria vídeo, porra!”, defendeu.

Em seguida, o presidente explica como deveria ser o modus operandi caso Pazuello tivesse negociando propina.

“Seria no submundo, num porão, num canto qualquer”, explicou Bolsonaro.

Na conversa com os apoiadores, o presidente voltou a atacar Lula e as pesquisas do Datafolha, que indicam vitória do petista nas próximas eleições.

“Vem um Datafolha da vida e fala que o Lula tá com 50%. O cara não consegue ir num botequim tomar uma cachaça, que é o que ele sabe fazer, sem ser vaiado. Não consegue fazer uma ‘jegueata’ na vida”, afirmou.

Bolsonaro também acusou Lula de ter implementado ‘ideologia de gênero’ nas escolas com a ajuda de Fernando Haddad durante a sua gestão. E voltou a repetir, sem provas, as teses de fraude nas eleições.

O presidente defendeu também a liberação das armas no Brasil, uma das principais bandeiras de sua campanha, alegando que ele, mesmo com toda a segurança, ‘só dorme com uma arma do lado’.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem